Documento roubado, ou perdido, dobra a probabilidade do cidadão sofrer golpes; em época de maior movimentação, o risco de o comércio ter prejuízos aumenta em 25%

O consumidor e o comerciante precisam redobrar a atenção e adotar cuidados simples de prevenção para não se tornarem vítimas de fraudes em compras feitas em lojas. De acordo com os especialistas em soluções anti-fraude da Serasa Experian, o fluxo intenso de pessoas no comércio, somado ao objetivo dos empresários em ampliar as vendas, acaba resultando em oportunidade para a atuação rápida de pessoas mal-intencionadas fazendo compras com uma identidade falsa.

Pesquisas da Serasa Experian apontam que estão mais suscetíveis às fraudes os consumidores que tiveram seus documentos perdidos ou extraviados. Perder a carteira de identidade ou o CPF dobra a probabilidade do consumidor ser vítima de uma fraude. Segundo o Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraude, a cada 15,5 segundos, um consumidor brasileiro foi vítima da tentativa de fraude conhecida como roubo de identidade, em que dados pessoais são usados por criminosos para obter crédito com a intenção de não honrar os pagamentos ou fazer um negócio apresentando-se com uma falsa identidade.

O comércio também precisa ficar atento. Estudos dos casos de fraudes confirmadas, dentre os alertas apontados pelas soluções anti-fraudes da Serasa Experian, constataram uma elevação de 25% de comprovação de golpes no comércio decorrentes de alertas a consultas realizadas durante datas movimentadas e feriados prolongados.

A ação de golpistas e pessoas mal-intencionadas é rápida e pode causar muitos transtornos ao comércio e à população. Confira abaixo dicas simples preparadas pelos especialistas para ajudar o consumidor e o comerciante:

Consumidor

1ª – Nunca deixe o documento com um desconhecido quando você não estiver por perto;
2ª – Nunca forneça seus dados pessoais para pessoas estranhas e nem as confirme pelo telefone;
3ª – Não perca de vista seus documentos de identificação quando solicitados para protocolos de ingresso em determinados ambientes ou para quaisquer negócios;
4ª – Não informe os números dos seus documentos quando participar de sorteios;
5ª – Mantenha atualizado o antivírus do seu computador diminuindo os riscos de ter seus dados pessoais roubados por arquivos espiões;
6ª – Não faça cadastros em sites que não sejam de confiança; fique atento às dicas de segurança da página, por exemplo, como a presença do cadeado de segurança.
7ª – Procure deixar os cheques separados dos documentos pessoais;
8ª – Não ande com o talão de cheques ou folhas já assinadas; procure portar apenas as folhas que for utilizar no dia;
9ª – Procure sempre emitir cheques nominais e cruzados;
10ª Se teve algum documento roubado, perdido ou extraviado, além de fazer um Boletim de Ocorrência (B.O.), registre gratuitamente um alerta no Serviço de Documentos e Cheques Roubados da Serasa Experian de maneira prática e segura pela internet, no endereço www.serasaconsumidor.com.br/gratuito_roubados.html, ou pelo telefone da Central de Atendimento ao Consumidor, no número (11) 3373 7272, que funciona os 7 dias da semana, das 8h às 20h.

No serviço da Serasa Experian pode ser registrado o extravio de folhas de cheques e documentos (como identidade, carteira de trabalho, CPF, carteira de habilitação e título de eleitor). A partir da inclusão dos dados, as informações ficam disponíveis de imediato para todos os clientes da Serasa Experian no país. No caso dos documentos, o alerta fica no sistema de consultas, provisoriamente, por um período de dez dias úteis.

Para que permaneça por tempo indeterminado, o consumidor precisa enviar dentro desse prazo o Boletim de Ocorrência e uma declaração formal à Serasa Experian. Já no caso dos cheques, as informações ficam na base de dados por três dias úteis, tempo para que o correntista avise o banco, faça o Boletim de Ocorrência e suste os cheques. Após a sustação, o alerta do cheque permanecerá por tempo indeterminado na base de dados da Serasa Experian.

Comércio

1ª – Peça sempre dois documentos originais (por exemplo, além do RG, também o CPF ou Carteira de Habilitação);
2ª – Verifique inconsistências nos documentos apresentados. Por exemplo, se a foto é recente, porém a data de emissão do RG é de quando a pessoa tinha 10 anos de idade ou vice-versa.
3ª – Procure confirmar se as informações fornecidas pelo cliente são verdadeiras, analisando atenciosamente se o nome apresentado nos documentos é o mesmo que consta no comprovante de residência;
4ª – Solicite ao cliente o número do telefone residencial e faça a checagem dos dados naquele instante;
5ª – Consulte alguma ferramenta de prevenção a fraudes, como o serviço Alerta de Identidade da Serasa Experian (www.serasaexperian.com.br/alertadeidentidade). No momento da venda, o empresário pode fazer uma consulta ao CPF do consumidor e analisar o histórico daquele documento. A partir disso, o serviço dá uma nota de zero a mil às informações apresentadas e indica se há e qual é o grau de risco para o comerciante.
6ª – Se a suspeita de fraude for grande e o comerciante não se sentir seguro com a venda, é recomendável pedir que uma parte ou todo o pagamento seja feito à vista.

Também poderá gostar de...

0 Comentários