Empresas investem na gestão por princípios e agregam valor ao negócios e aos serviços e produtos que oferecem

“Um dos maiores desafios do varejo é contratar, manter e motivar seus colaboradores"

Uma empresa hoje tem que ter uma razão de existir que vá além do umbigo do dono. “Esse significado é o que a torna realmente inovadora e necessária; além, é claro, de motivar outras pessoas a se comprometerem com o negócio”, diz Adir Ribeiro, especialista em canais de venda, presidente da Praxis Business.

“Um dos maiores desafios do varejo é contratar, manter e motivar seus colaboradores. No capitalismo consciente o lucro continua sendo relevante, afinal é ele o responsável primário pela sobrevivência da empresa; mas ele (o lucro) está diretamente vinculado aos princípios e valores da empresa”, explica o presidente da Praxis Business.

Colaboradores querem investir seu tempo e sua dedicação em algo que deixe um legado, que gere valor e que vá além do lucro da empresa ou de seu próprio lucro e possa impactar positivamente no ambiente e na vida de outras pessoas. “É preciso ter consciência que colaboradores hoje não querem estar em uma empresa que vende uma imagem irreal, que polui, que faz promoções mentirosas”, explica.

Adir Ribeiro lembra que os colaboradores devem ser os primeiros a serem conquistados, já que, ao serem engajados se transformam em embaixadores da marca ou empresa e passam a ser uma vantagem competitiva para essas companhias. “Uma empresa com propósito é aquela que promove a prosperidade e a interligação de toda a sua cadeia de valor.

Colaboradores, Fornecedores e Comunidade que vivenciam empresas assim veem que eles fazem parte de algo maior, numa visão ampla da sustentabilidade que gera retorno não só para investidores e acionistas, mas para todos os stakeholders da empresa”, diz.

“É motivador entrar numa loja Apple nos EUA, por exemplo. Você conversa com os colaboradores e eles dizem com todas as letras que é uma honra poder está ali servindo àquela marca. Eles tem verdadeira paixão, e isso, é claro, é transmitido em todos os pontos de contato do cliente com a marca, gerando, assim, uma valorização global do negócio”, comenta Ribeiro que cita outras marcas elencadas dentro desse propósito como a Starbucks, The Container Sotore, WholeFoods Market, O Boticário, Chilli Beans, Giroflex-Forma e Ambev.

Cases de empresas que adotam os princípios do capitalismo consciente

(Fonte: Site da Feira da APAS, onde Adir Ribeiro foi palestrante no início do mês)

- WholeFoods, varejista de alimentos naturais e orgânicos norte-americana, afirma que o seu propósito é ajudar as pessoas a ingerirem alimentos mais saudáveis, educá-los sobre dieta saudável e estilo de vida, ajudá-los a viver mais tempo livres de doença e a terem mais vitalidade. Tal atitude eleva o engajamento dos colaboradores e os faz criar um ambiente de trabalho positivo e otimista em que todos sentem que seu trabalho tem um forte significado.

- A Container Store, varejista americana especializada em produtos para a organização de casas e escritórios, construiu uma rede de sucesso não apenas baseada em grandes produtos, mas estruturada em alguns valores fundamentais e filosofias de negócios no tratamento de colaboradores, clientes e fornecedores com respeito e dignidade — valores que são trabalhados no dia a dia e que são primordiais para as ações de todos os membros da empresa.

- A Zappos.com, varejista de sapatos que tem faturado 1 bilhão de dólares anualmente, tem como procedimentos operacionais padrão: pagar 2 mil dólares para novos colaboradores pararem de fumar; colocar toda a empresa, e não apenas um departamento, a serviço do cliente; cultura da empresa como prioridade número 1; aplicar a pesquisa da ciência da felicidade na administração do negócio; ajudar os colaboradores a crescerem pessoal e profissionalmente; procurar mudar o mundo e ganhar dinheiro.

Sobre a Praxis Business

A Praxis Business, empresa especializada em consultoria e educação corporativa para o franchising,varejo e outros canais de vendas nasceu em 2009 já treinou mais de 35 mil pessoas e concluiu mais de 50 projetos de consultoria e gestão. Das 25 maiores empresas de franquias do Brasil, segundo ranking da ABF, a Praxis Business atende 11 delas, como O Boticário (maior rede de franquias do Brasil), Bob´s, CCAA, Oi, Localiza, entre outras.

Sobre Adir Ribeiro

Sócio-fundador e presidente da Praxis, Adir Ribeiro é um dos maiores especialistas em franquias, varejo e canais de venda do Brasil, com 20 anos de experiência. Adir foi, inclusive, convidado pela ABF – Associação Brasileira de Franchising, para participar, como consultor, da NRF em Nova Iorque, a maior feira de varejo do mundo. Além disso, é diretor do IBEVAR - Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo, colaborador do ICF – Instituto CEO do Futuro e do MBA 60 segundos, mentor da Endeavor, membro do Conselho de Administração de Empresas Nacionais e professor de escolas de negócios como a FGV, FIA-Provar, ABF, entre outros. Adir escreveu, com os sócios da Praxis, o livro “Gestão Estratégica do Franchising: Como construir redes de franquias de sucesso”, que aborda os principais aspectos do franchising, desde seu surgimento, viabilidade do negócio, capacitação, gestão, marketing, entre outros, lançado no final de 2011.

Serviço

NEGÓCIOS ALÉM DA LUCRATIVIDADE GERAM COLABORADORES APAIXONADOS
Fonte: Adir Ribeiro, presidente e sócio-fundador da Praxis Business, especialista em varejo, franquias e canais de venda
Praxis Business
Av. Queirós Filho, 1700 - Sobrado 65, Vila Leopoldina
São Paulo - SP - 05319-000
Telefone: (11) 2361-1326
www.praxisbusiness.com.br

Sugestão para leitura:

• Morrel, C. – “Erros estúpidos e decisões absurdas” – Uma reflexão sobre a estrutura das decisões, Editora Campus, Rio de Janeiro. 2003 – ISBN 8535212037

Morrel é sociólogo, e diretor de Recursos Humanos de multinacional francesa. O livro traz casos cotidianos e famosos como a Challanger, Tschernobil, petroleiro “Rui Barbosa”, usar grandes planilhas de Excel em apresentações de Power Point e outras situações cotidianas e decisórias em ambiente corporativo ou coletivo.

Sugestão para filmes:

• O CORTE – dir. Costa-Garvas, 2005. França.

Após 15 anos de empregado, alto executivo da indústria do papel é demitido por nova estruturação organizacional. Na disputa por mercado de recolocação executiva, elabora planos e os executa para eliminar melhores concorrentes. Planos nada ético e criminoso. 122 min

• ROGUE TRADER – Escrito e dir. James Dearden 1999 Grã-Bretania.

Filme baseado no livro biográfico de Nick Lesson, Cita sobre as situações que o motivaram a aplicar em 1995 investimentos de clientes no Banco Bahrings em aplicações muito arriscadas e depois em cassinos. Tornou se alcoólatra somado a isto junto a quebra do banco. Em inglês. Duração total 101 min.

Igor Rafailov - É design thinker, consultor organizacional, palestrante e colecionador de fobias. Prepara para 2013 a 2a edição do Dicionário de Fobias. @dicionariodefobia

Também poderá gostar de...

0 Comentários