Rússia é o país que mais deve contratar em 2013, Brasil divide a 4º posição no ranking com México e EUA

Pesquisa global da Michael Page, uma das maiores consultorias especializada em recrutamento e seleção de executivos para alta e média gerência, com 4,3 mil diretores de RH de grandes companhias espalhadas em 32 países, aponta diferenças no apetite das empresas para contratar ao longo de 2013.

As economias emergentes lideram o ranking. Na Rússia, por exemplo, 96% dos diretores de RH ouvidos pela Michael Page afirmaram que irão contratar ao longo do ano. Na Turquia, 95% afirmaram que irão contratar, enquanto na China, 94%. O Brasil vem na sequência, dividindo a 4º posição do ranking com México e Estados Unidos, com 93% dos diretores de RH afirmando que suas companhias irão aumentar o quadro de funcionários em 2013.

Os países europeus ocupam as últimas posições do ranking, como já era esperado. Polonia, Itália, Espanha e Portugal são os países que menos devem contratar ao longo de 2013.

O estudo, batizado de Michael Page Global HR Barometer 2013, também avaliou quais são os maiores desafios dos diretores de RH ao longo do ano e o que deve dominar a maior parte da agenda e das preocupações desses profissionais. Destacamos a média global para estabelecer um comparativo específico com os anseios do RH brasileiro. Remuneração e benefícios é a bola da vez no país. Enquanto a questão é um problema para 41% dos profissionais ao redor no mundo, aqui no Brasil o assunto é espinhoso para 57%.

No resto do mundo o estudo da Michael Page aponta que o maior desafio para as empresas hoje é difundir sua cultura corporativa, seguido de administração de desempenho.

Encontrar talentos continua sendo um grande desafio, em todas as partes do mundo. Para metade dos entrevistados pela Michael Page, a busca por profissionais continua sendo “difícil” ou “muito difícil”. No Brasil, 52% dos entrevistados classifica a busca dentro destes parâmetros. Como resultado, os departamentos de RH estão adotando canais múltiplos de busca por talentos: globalmente, 91% utilizam canais online de divulgação de vagas, 84% utilizam seu próprio website e 83% procuram por consultorias de recrutamento. Para a maioria dos líderes de RH que participaram da pesquisa, as consultorias de recrutamento são o melhor caminho para encontrar e recrutar bons profissionais, especialmente para cargos de gestão. É um fato em todas as regiões pesquisadas.

Retenção

O Global RH Barometer 2013 da Michael Page mostra que retenção de talentos é também uma grande prioridade dos departamentos de RH em todo o mundo. E mais uma vez benefícios aparecem como prioridade para 64% das empresas brasileiras na estratégia de reter profissionais, seguido de treinamento e desenvolvimento profissional com 63%. No resto do mundo, treinamento e desenvolvimento supera politicas de beneficio como foco dos diretores de RH, 55% e 47%, respectivamente.

Politicas de RH focadas em qualidade de vida são mais comuns no resto do mundo do que no Brasil. É prioridade para 38% dos diretores de RH lá fora, enquanto apenas 33% dos profissionais locais apontam medidas que priorizem maior equilíbrio entre vida pessoal e trabalho.

Reconhecimento

Enquanto 58% das empresas brasileiras reconhecem a disponibilidade e empenho dos seus colaboradores por meio de horas-extra, globalmente o indicador fica bem abaixo, 43%. Isso é mais um indicativo que demonstra que o mercado e trabalho no Brasil andam de fato mais dinâmicos que a média global. No resto do mundo apenas 43% dos profissionais consideram a hora-extra como ferramenta importante de reconhecimento.

As empresas brasileiras estão investindo mais em programas de saúde e bem estar do que a média global, 47% contra 42%. Por outro lado, o home office é melhor visto pelos diretores de RH do restante do mundo em relação aos brasileiros. A média global de diretores de RH que consideram o home office ferramenta importante é de 27%, no Brasil é de 15%.

Outros destaques

• Mesmo com os desafios em encontrar candidatos qualificados, 1 em 5 organizações ainda não possuem indicadores concretos para mensurar a eficiência do Recrutamento;
• A ferramenta mais popular de retenção é o treinamento, utilizado por mais da metade das organizações ao redor do mundo. Entretanto, a maioria dos treinamentos envolvem conhecimentos técnicos (hard skills), e apenas uma pequena porcentagem é direcionada a soft skills como liderança e desenvolvimento da administração;
• Na Europa, América do Norte e Austrália, cerca de 40% dos líderes de RH possuem remuneração variável muito baixa (menos de 5%). Na América Latina, por sua vez, um quarto das companhias oferecem variáveis de 20% ou mais;
• Os negócios latino-americanos têm maior tendência à terceirização de serviços de RH. Austrália é o país que menos terceiriza.

Sobre a Michael Page

A Michael Page é um dos maiores players mundiais em recrutamento especializado. Fundada na Inglaterra em 1976 e parte do PageGroup, é especializada em recrutar executivos de middle e top management, em todo o mundo, sendo a consultoria de recrutamento líder e pioneira na América Latina. Atualmente possui mais de 5.400 colaboradores em 34 países.

Também poderá gostar de...

0 Comentários