Consultor de Carreira e ganhador do prêmio Jabuti Gutemberg Macedo fala sobre o desafio de estar “entre empregos”

Pode ser um chamado do chefe logo pela manhã para dar a notícia da demissão. Pode ser um email informando que o profissional não faz mais parte da equipe. De qualquer forma, correta ou desastrosa, a demissão sempre gerará sentimentos de indignação e injustiça. “O impacto de uma notícia como essa não é fácil de ser absorvido”, avalia Gutemberg Macedo, fundador do Gutemberg Consultores e ganhador do prêmio Jabuti de literatura pelo Best Seller “Fui Demitido: e agora?”.

O processo de demissão é para algumas pessoas equivalente à perda de um ente querido, a um divórcio ou a outras perdas que afetam de forma relevante a sua vida. “O profissional precisa estar preparado para administrar a situação pós-demissão, para que seja capaz de retomar a vida profissional e se recolocar no mercado”, diz Gutemberg. “Independente do motivo do desligamento da empresa, passado o susto com a notícia é hora de virar a página e superar o novo obstáculo”.

Diante do impacto da mudança, pessoas desestruturadas emocionalmente tendem a perder a razão. Claramente, este não é o caminho. “A fase deve ser encarada como uma etapa de transição de carreira”, explica o consultor. “Não tome atitudes precipitadas. Lembre-se que hoje não há segurança no ambiente de trabalho, não é possível se conformar e acreditar na estabilidade. Estabilidade não existe mais”.

As perdas provocadas por uma demissão vão muito além de aspectos puramente psicoemocionais:

  • Identidade – Com a saída da empresa ocorre a perda da identidade, agora não é mais conhecido como, por exemplo, João diretor da empresa X. 
  • Imagem e reputação – O que os meus amigos, vizinhos e membros da família pensarão sobre mim? 
  • Finanças pessoais – A perda do salário e do bônus anual. 
  • Sociais – Exclusão dos eventos sociais da organização, o desconforto ao encontrar ex-colegas em eventos sociais e interrupção no relacionamento com clientes. 
  • Benefícios corporativos – carro importado, laptop, celular, cartão de crédito corporativo, cartão de visita, motorista particular, educação dos filhos custeada pela empresa, assistência médica, odontológica e hospitalar em hospital de primeira linha, seguro de vida, entre tantos outros benefícios. 
  • “Nem tudo está perdido com a demissão. Há vida – e vida em abundância, além dos umbrais de uma grande corporação, não importa a sua idade, nível de formação acadêmica ou de experiência profissional.”, garante Gutemberg.

A demissão é o começo de um novo ciclo de vida e carreira, momento também de reflexão: Onde pode ter errado, o que poderia ter melhorado, eu gostava mesmo das atividades que exercia? As respostas para estas perguntas podem ajudar na recolocação”, explica o consultor.

  • Aproveite o momento para descansar e refletir, assim começa a busca com mais tranqüilidade emocional, isso pode ajudar nas decisões futuras. 
  • Momento de ativar networking e pedir indicações, as melhores oportunidades vêm por recomendação. Amplie a busca e terá mais chances de encontrar uma vaga. 
  • Esteja aberto as oportunidades, reveja o currículo, atualize-o com informações pertinentes à área de interesse. 
  • Controle os gastos, o momento é de economia. Evite dispersar a reserva financeira em atividades desnecessárias. 
  • A internet é uma das aliadas na tentativa de voltar ao mercado. O cadastro de currículos na rede pode ser uma saída. 
  • “Não permita que a situação, por mais escura e tenebrosa que possa parecer, abale a sua autoconfiança, coloque em dúvida a sua competência gerencial e destrua as suas esperanças”, finaliza Gutemberg. 


Também poderá gostar de...

0 Comentários