A cada início de semestre letivo, começo minhas aulas de Economia tratando sobre escassez, explicando que esta palavra está diretamente relacionada à falta de recursos, ou seja, recursos limitados contrapondo-se a necessidades humanas ilimitadas. Tento explicar que a questão central do estudo da Economia é como alocar recursos produtivos limitados para satisfazer todas as necessidades da população.

E todo semestre repete-se a mesma pergunta: “Professor, então não haverá emprego para todo mundo?”. Eu aproveito para responder estrategicamente: “Depende!”. É claro que surge uma grande discussão a qual aproveito para explicar que estar bem empregado não significa ter uma boa empregabilidade. Empregabilidade = conhecimento atualizado + competências + rede sustentada de relações.

E assim, começo a explicar que os desafios do mundo corporativo moderno sofrem frequentes mudanças e adaptações, sentenciando que a formação de um profissional não se encerra na conclusão da graduação.

A universidade, dizem os especialistas, aponta caminhos, fornece conceitos e ideias, mas a bagagem deve ser arrumada por quem pretende trilhá-los. Em outras palavras, esses caminhos atendem pelo nome de Pós-Graduação.

Assim como as empresas buscam aprimorar seus conhecimentos para continuarem competitivas, é fundamental que os profissionais façam o mesmo. É consenso entre os consultores de RH que o planejamento é a primeira atitude que o profissional deve tomar em relação à carreira.

Se planejamento e foco são elementos importantes para uma carreira de sucesso, os profissionais não podem esquecer-se de itens como a troca de experiências com outras pessoas e a realização de cursos de extensão, pós-graduação e idiomas. É claro que não podemos esquecer questões como equilíbrio emocional, gestão de equipe, visão estratégica e postura.

As empresas contratam pelo conhecimento e demitem pelo comportamento. Se as empresas mudam, é natural que o profissional se atualize, quase que automaticamente. A adaptação cultural do funcionário à empresa é fator crucial para o sucesso ou o fracasso.

Segundo o professor Luis Carlos Cabrera, uma grave falha na formação dos profissionais brasileiros é a falta de cultura. Por quê? Porque é o nível cultural que melhora a capacidade de diagnósticos, de entender rapidamente contextos complexos e de fazer julgamentos. Adquirir formação e cultura é um grande diferencial competitivo.

Fica aqui a dica de quatro padrões de comportamento para quem tem alta capacidade de aprender, segundo a Revista Você S/A:

  • Facilidade para relacionamento.
  • Rapidez em obter resultados.
  • Agilidade mental.
  • Aptidão para mudanças.

Cabe a você tomar a decisão de planejar sua carreira, seu sucesso, e, independente da escassez, estar sempre preparado para um mundo de oportunidades que surge a cada novo dia. Você é o gestor e o diretor da sua vida profissional!

Marco Antonio Cordeiro - É professor de Economia e coordenador de Pós-Graduação da Anhanguera UNIBAN Maria Cândida.

Também poderá gostar de...

0 Comentários