O ICFSS Multiplus/Fundace – Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético registrou queda de 6 pontos em relação a primeira rodada de 2012, realizada em fevereiro (0,59), atingindo o valor de 0,53 na rodada de abril. Também houve queda em comparação com abril do ano passado, quando o valor foi de 0,64, ou seja 11 pontos maior. Mesmo com este recuo, o ICFSS ainda aponta um cenário positivo para os fornecedores do setor sucroenergético nos próximos meses.

Ao comparar a evolução do ICFSS com a do ICEI (Índice de Confiança do Empresário Industrial – CNI) no mesmo período, nota-se que a confiança de ambos apresentou queda, sendo que a o ICEI caiu apenas 1 ponto (para 0,57), representando um melhor clima de negócios para setores da indústria como um todo do que especificamente para a cadeia de fornecedores do setor sucroenergético.

O ICFSS é composto por expectativas dos gestores e pelas condições atuais do setor, na avaliação dos próprios entrevistados. O Indicador referente às Condições Atuais, apresentou queda atingindo o valor de 0,47 que, por estar abaixo de 0,50 pontos, aponta para um nível insatisfatório na avaliação dos gestores entrevistados.

Dentro do Indicador referente às Condições Atuais, a variável vinculada diretamente à cadeia produtiva sucroenergética foi a que apresentou o pior desempenho, marcando 0,41 (queda de 9 pontos). De acordo com o estudo, a situação é reflexo da falta de chuvas no início do ano que deve implicar em um crescimento pouco expressivo da produção nessa safra (12/13) em relação a safra (11/12).

O destaque positivo fica por conta do desempenho das empresas (0,56 pontos), que mesmo com a adversidade do setor ficaram satisfeitas com suas atividades, em geral movimentadas por outros setores da economia do país, que teve pouca variação e marcou 0,48 pontos. “As empresas têm diversificado suas atividades e procurado atender outros mercados. Assim, mesmo diante de condições adversas no setor sucroalcooleiro, o impacto para as empresas é diluído”, afirma um dos coordenadores do Índice, o pesquisador da Faculdade de Economia, Administração e contabilidade de Ribeirão Preto da USP (FEA-RP/USP), prof. dr. Roberto Fava Scare.

O desempenho das empresas, com 0,65 pontos, também foi a variável mais positiva quando os empresários avaliam o futuro do setor. Em geral, entretanto, o Índice de Expectativa dos Gestores teve redução de 7 pontos indo de 0,63 em fevereiro para 0,56 agora em abril. Na comparação com o mesmo período do ano passado a queda na expectativa foi de 11 pontos.

“Com a redução na safra da cana, as usinas trabalharam com grande capacidade ociosa, gerando menor demanda pela construção de novas usinas e menos investimento em reparos”, afirma o economista da FEA-RP/USP um dos coordenadores do índice, prof. dr. Maurício Jorge Pinto de Souza.

“O grupos multinacionais que adquiriram usinas em dificuldades alocaram capital para otimizar as operações e não para a construção de novas unidades produtoras. Além disso, para solucionar a falta de matéria-prima (cana-de-açúcar) o maior montante de investimentos na entressafra ocorreu na renovação dos canaviais e não no setor industrial”, completa Maurício de Souza.

O Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Multiplus/Fundace é uma pesquisa realizada trimestralmente pelo AgroFEA Ribeirão Preto (Programa de Pesquisa em Agronegócio da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto) da FEA-RP/USP, em parceria com a Multiplus Feiras e Eventos e com a Fundace com o intuito de acompanhar a evolução da expectativa do setor.

Também poderá gostar de...

0 Comentários